NOTÍCIAS

Amaury candidato com Pierre e Uri debaixo de olho

Chegou a dormir na praia da primeira vez que veio competir à Praia Grande, mas já se
sagrou campeão mundial em Sintra (2010) e este ano chega a Portugal na luta pelo título.
Mas assume que a concorrência é muito forte.


- Quais as suas expectativas para o Sintra Portugal Pro 2014?
Gosto sempre muito de vir a Sintra. Adoro essa etapa e tenho muito boas recordações,
desde a primeira vez que competi aí e tive de dormir na praia por falta de meios, até ao
meu primeiro título mundial, em 2010.


- Acha que, este ano, consegue repetir a História e sagrar-se campeão mundial em
Sintra?


Com Pierre [Louis Costes] e Uri [ Valadão] na corrida é impossível garantir o título. Vai ser
uma competição muito intensa e vou fazer o meu melhor para estar preparado!


- A sua vida pessoal mudou muito nos últimos tempos com a mudança para as
Canárias, o casamento e o nascimento do seu filho. Que impacto teve tudo isto na
sua vida competitiva?


Sim, a minha vida mudou muito no último ano, mas tem sido muit positivo para mim.
Mudar-me para as Canárias tem sido muitp bom e estou muito entusiasmado com a
chegada do Inverno lá. A minha família dá-me muita energia e vão estar comigo em
Portugal este ano.


- É conhecido por ser um dos atletas do circuito que mais cultiva a forma física e o
lado atlético da modalidade. Que tipo de rotina leva a cabo para isso?


Tento apenas ser consistente no meu trabalho. Acredito em encontrar o equilíbrio em
todos os aspectos da minha vida e o treino físico é parte importante para isso.

 

- Uri Valadão é segundo na corrida pelo título. E ele venceu em Sintra três vezes. É a
sua maior ameaça?

 

Uri é um competidor incrível e pode vencer o título mundial com facilidade. Espero que
Sintra não seja a última competição do ano e que tenhamos a hipótese de surfar o
Frontón grande. Estaria bem mais confiante!

Uri Valadão sonha com o "tetra" em Sintra

photo11

 

- Você venceu o Sintra Pro 3 vezes na sua carreira, um recorde da prova. Qual a
razão do sucesso?


Além de adorar Sintra, eu treino muito em uma praia aqui na minha cidade que é muito
semelhante a Praia Grande...me sinto muito a vontade nesta praia e gosto muito das
ondas de lá.


- Esse registo de vitórias pode ser um amuleto para você numa altura em que está
no segundo lugar do Mundial, e com algumas provas do calendário ainda por
confirmar. Acrescenta pressão?

 

Não me sinto pressionado em Sintra, me sinto em casa. Amo o lugar e as pessoas deste
lugar e por isso me sinto tão bem competindo lá. Meu pensamento é somente em fazer
um bom trabalho em Sintra e o ranking será consequência.

 

- Mudou recentemente de patrocinador e agora compete para a GT Boards. Qual o
impacto de agora estar a trabalhar com o ídolo de todos os bodyboarders
brasileiros? Guilherme Tâmega é o quê para si? Um mentor, um amigo, um rival?

 

Está sendo maravilhoso trabalhar com GT. Ele além de ser meu grande amigo, é na
minha opinião o maior de todos os tempos quando falamos em competições. Ele me
ajuda muito com sua experiência e isso está sendo maravilhoso pra mim. É muito
gratificante saber que o maior de todos acredita no meu potencial, me sinto honrado por
isto e ao mesmo tempo muito motivado para corresponder a altura.

 

- Este ano o Sintra Pro vai realizar-se cerca de um mês mais tarde do que é habitual.
Pensa que pode beneficiar o evento?

 

Eu não sei qual seria a diferença, talvez o clima, as ondas... mas não tenho nada a
reclamar da data anteriores do Sintra PRO, pois muitas vezes teve boas ondas e eu
sempre fiz grandes resultados...

 

- Quem você não queria nunca encontrar num heat?
GT...o único.

 

- Este ano é mais um ano de título para si?

 

As possibilidades existem sim, eu sonho com mais um titulo mundial, mas sonho também
com o tetra em Sintra, seria incrível.

Campeão de 2013 Lucas Nogueira volta ao "local do crime"

ai foi1 

 

(Foto: Thiago Muniz)

 

Desde 2002 que Lucas Nogueira vem ao Sintra Portugal Pro e cotou-se sempre como um
competidor imprevisível, dono de um estilo atlético e acrobático, tipicamente brasileiro. E,
finalmente, o ano passado, conseguiu o que perseguia: o triunfo na final frente a um dos
seus bodyboarders favoritos, o campeão mundial de 2011, o francês Pierre Louis Costes,
num desfecho dramático em que Lucas virou o resultado do heat com um 9,4 na últaima
onda.


"Um dos momentos mais importantes da minha carreira", confessa o atleta brasileiro,
para quem o Sintra Portugal Pro representa uma etapa muito bem-vinda no Circuito
Mundial:

 

"É um evento muito importante pela tradição no Tour e por ser um lugar muito
bonito e em que falam a nossa língua."
Lucas é um produto da escola brasileira de bodyboard e tem como referência Guilherme
Tâmega, por isso não espanta que aponte GT, de 42 anos, como o ídolo, mas é mais
abrangente nas suas preferências, citando dois franceses antigos campeões do Mundo e
um sul-africano:


"O Guilherme é o ídolo de todo o 'brazuca' por tudo o que já conquistou para o
Bodyboard brasileiro. Em estilo de surf, gosto muito do Amaury [Lavernhe], Pierre
[Louis Costes] e Jared Houston."


Lucas também sonha ser campeão do Mundo um dia. "Treino e tenho investido muito
nisso", diz, mas sempre vai dizendo que precisa de "suporte financeiro para poder
fazer o tour sem preocupações dessa ordem."


Este ano, na Praia Grande, entre 23 e 28 deste mês, veremos o que Lucas consegue
fazer uma vez numa prova que pode ser decisiva nas contas do Mundial.

 

Sintra Portugal Pro faz estréia mundial de Divisão Júnior

steph 2

Stephanos Kokorelis, um sub-18 que esteve em grande na edição de 2013

 

O 19º Sintra Portugal Pro, a quinta etapa do Circuito Mundial de Bodyboard
(APB World Tour) terá muitos pontos de interesse para quem se deslocar à
Praia Grande entre os dias 23 e 28 de Setembro, mas um dos mais
interessantes poderá ser a estreia mundial de uma prova para atletas sub-18
que a APB designa por “Junior Division”.


A idéia é dar a oportunidade aos atletas mais jovens de se integrarem
na alta-competição do Mundial através de uma classe intermédia, com
atletas talentosos mas ainda pouco experientes a este nível. É
excelente para os muitos jovens bodyboarders nacionais, mas não só,
pois também esperamos participações estrangeiras nesta divisão”,
explica Roman Alvarez, representante da Federação Portuguesa de Surf e a
cara desta organização há quase 20 anos.

 

Dotada de um “prize Money” de 2000 dólares, esta classe pretende ser uma
etapa de charneira para os muitos jovens talentos que pretendem entrar em
contacto com a competição de nível mundial com um risco calculado. Ou
seja, medir forças com atletas da sua idade e nível de experiência sem terem
o embate brusco das exigências competitivas de uma prova Mundial.
Por seu turno, desportivamente, é esperada uma prova muito competitiva e
disputada que poderá dar um espectáculo muito interessante, com muito
bodyboard de vanguarda nas ondas da Praia Grande.

 

Os campeões de 2013
Open masculino
Ben Player, Austrália
Feminino
Isabela Souza, Brasil
Drop Knee
Dave Hubbard, Havai
Junior
Ano de estréia, logo, sem campeão em 2013